Procurando...

Até pessoas que evitam serviços online têm suas vidas afetadas por eles. Por exemplo, em uma bela manhã você descobre que sua vizinhança calma se tornou uma rodovia movimentada. E a culpada por isso é a navegação por satélite.


Os serviços de navegação por satélite otimizam as rotas de seus usuários considerando engarrafamentos, acidentes e reparos na via. Esses aplicativos recebem dados de serviços municipais e dos próprios usuários.

Talvez o mais conhecido seja o Waze. Adquirido pelo Google em 2013, o Waze serve como exemplo perfeito de como serviços online podem afetar a vida real. Ao mesmo tempo que facilitam a vida dos usuários, podem também resultar em problemas de segurança e privacidade.

Por exemplo, de modo a definir a rota mais rápida de A para B, o Waze trouxe tráfego intenso para vias anteriormente tranquilas. O aplicativo redireciona carros, caminhões e até ônibus de excursão turística para ruas calmas e vielas para minimizar os atrasos.

Humanos contra-atacam

 Em Maryland, um grupo de vizinhos está tentando subverter o Waze por seus próprios métodos. Na tentativa de tornar sua rua quieta menos atraente ao Waze, moradores passaram a emitir falsos alertas de acidentes para o serviço. Como forma de contornar isso, o app descarta relatórios de acidentes caso a velocidade da média na via não tenha diminuído. Para burlar essa medida, os vizinhos unem forças e enviam vários alertas de acidentes falsos.

Essas táticas funcionam? Não há dados que indicam qualquer resposta. A Wired sugere medidas mais robustas para a diminuição do tráfego local, como a instalação de quebra-molas, troca de cruzamentos por rotatórias, estreitamento de vias, e mais. Esses métodos funcionam, mas não são passíveis de implantação unicamente pela boa vontade de vizinhos.

Desaprovação oficial

Não são apenas moradores locais que estão engajados nessa causa. A polícia também – por conta da função do aplicativo de alertar sobre a presença de blitz. Em 2014, o chefe de polícia de Los Angeles chegou a escrever uma carta ao CEO do Google, Larry Page depois que dois policiais foram baleados por alguém que usou o app para rastrear a localização da dupla.

Outra carta revoltada para Page veio do presidente do Sindicato da Polícia de Nova York, Edward Mullins, que solicitou que o Google removesse a função de alerta específica para polícia, sob ameaças de processo judicial. O Google não cedeu: a função continua lá.

O embate entre a polícia e o Waze trouxe ainda mais atenção para o aplicativo. Organizações voltadas à defesa de direitos civis, como a Fundação da Fronteira Eletrônica se aliaram ao serviço, dando ênfase em tecnologias que a polícia usa e ferem a privacidade da população, como reconhecimento de placas de carro.

Outro uso do Waze é para fugir de blitz e fiscalizações. A polícia de Miami teria submetido falsas localizações de policiais para ocultar sua localização real. Um porta-voz do departamento negou a afirmação, pelo menos oficialmente a prática não recebe apoio.

Controle de danos

 A natureza do Waze também propagou a percepção de que o serviço é responsável por certos tipos de incidentes. Em 2015, por exemplo, o app guiou um casal de idosos para uma favela. Eles procuravam pela Avenida Quintino Bocaiúva, em São Francisco; o Waze os levou para a Rua Quintino Bocaiúva, em Caramujo. Eles ficaram presos no meio de um tiroteio, um deles foi baleado e morto.

Para assegurar os usuários nas Olimpíadas Rio 2016, o Waze começou a mostrar notificações quando alguém entrava em uma vizinhança tipicamente suscetível a ocorrência de crimes. (Essa informação provinha de fontes locais anônimas.)

A função de compartilhamento de viagem do Waze pode gerar críticas. Veja o Uber, com o qual o Waze pretende competir. A cobertura da mídia em cima do Uber (desde acidentes comuns a sequestros) enfatiza que se algo der errado a culpa é do motorista.

Carros fantasma

Finalmente, chegamos a nossa preocupação constante: vazamentos, ameaças e vulnerabilidades. O que o Waze tem de tão especial que os cibercriminosos poderiam tirar proveito?  Não estamos falando de hacks no servidor, esses não variam muito de um caso para o outro. Mas que tal carros “fantasmas” no sistema de navegação alimentado por informações de usuários? O Technion – Instituto de Tecnologia de Israel realizou esse experimento em 2014.

Os cientistas criaram bots, que ganharam a confiança do Waze ao aparentar dirigir por lugares, passando na sequência a simular engarrafamentos, os quais eram marcados pelo sistema como legítimos. Os congestionamentos falsos faziam com que o aplicativo planejasse rotas que evitassem a área.

Agora, o cenário possível: hackers usam engarrafamentos inexistentes para desviar o tráfego para uma certa rota, provocando congestionamentos reais.

No outono passado, pesquisadores das Universidades da Califórnia, Santa Bárbara e Tsinghua Pequim, ofereceram outro método para comprometer o Waze. O serviço plota avatares de usuários com outras informações de perfil no mapa. Ao automatizar solicitações para exibição de usuários do Waze, os pesquisadores conseguiram rastrear seus movimentos.

A administração do Waze nega com veemência essas ameaças à privacidade. Usuários podem habilitar o modo invisível e esconder sua localização de outros motoristas. Contudo, os desenvolvedores melhoraram a privacidade retirando o nome de usuários da vista de qualquer um, continuando disponível para amigos.

Depois dessa atualização, os pesquisadores ainda foram capazes de reproduzir o experimento – utilizando não apenas nomes, mas a data de criação de cada perfil como base para o rastreamento. A data tem precisão de segundos e torna a identificação do usuário absoluta. Mais tarde, os desenvolvedores corrigiram o problema.

Fruto da nova função de carona compartilhada do Waze, ressurgiram os rumores a respeito do Google estar desenvolvendo um serviço de taxi automatizado que usará o Waze para escolher a melhor rota.  No presente momento, você pode impor-se às sugestões de rotas do motorista ou do aplicativo, contudo com taxis não tripulados, isso pode deixar de ser verdade. Esperamos que antes de lançar os táxis não-tripulados (se isso for de fato o plano), o Google seja capaz de corrigir às falhas no Waze para assegurar uma experiência segura e confortável.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Group FJ - Blog Oficial © Copyright 2015-2018.
CNPJ 29.062.899/0001-59 - GROUP FJ SOLUCOES SEGURAS LTDA - (27) 3752-7455 / (27) 99292-9200 (whatsapp)
Política de Privacidade‎ / Devoluções e Garantia‎ / Entregas‎ / Pagamento‎ / Dúvidas mais Frequentes‎